sexta-feira, dezembro 15Saúde. Gestão e Consultoria

O uso abusivo de descongestionantes nasais: porquê eles viciam?

O uso abusivo de descongestionantes nasais: porquê eles viciam?
Classifique

O uso abusivo de descongestionantes nasais: porquê eles viciam?

Uso abusivo de descongestionante nasal
Uso abusivo de descongestionante nasal

Basta a temperatura cair ou mudar para muita gente sacar de bolsos e gavetas os frascos de descongestionantes nasais. Seja nas noites mais frias ou no verão com a umidade do ar baixa, a incidência de gripes, resfriados e alergias respiratórias aumenta. Um prato cheio para apelar para tais medicamentos. No entanto, o hábito de pingar continuamente o remédio no nariz, além de viciar, mascara um enorme perigo para a saúde do coração.

O uso dos descongestionantes traz alívio da congestão de forma imediata, por isso, o indivíduo acha que está fazendo “um grande negócio” utilizá-lo. Porém é apenas um paliativo. O correto é buscar um tratamento médico para descobrir e tratar a causa do entupimento das narinas, que pode ser uma sinusite, desvio de sépto ou pólipo nasal, entre outras.

Na mucosa nasal, o uso abusivo provoca uma reação inflamatória, fazendo com que seja preciso quantidades cada vez maiores do remédio para se obter bem-estar.

Como funcionam os descongestionantes? Porquê viciam?

A mucosa do nariz é suprida por uma extensa rede de vasos sanguíneos, responsáveis pelo aquecimento, umidificação e filtragem do ar. Quando o nariz entope, esses vasos dilatam dificultando a respiração;

Em caso de gripes e resfriados, os vasos incham na tentativa de matar os vírus causadores do problema; nos quadros alérgicos, a dilatação é uma reação inflamatória à poeira e ao pólen;

O descongestionante nasal atua como um vasoconstritor ou seja, desincha os vasos reduzindo seu calibre para facilitar a respiração;

O uso contínuo do medicamento faz com que a mucosa nasal absorva a substância vasoconstritora (fenilefrina, difenidramina, cloreto de oximetazolina, nafazolina ou cloridrato de nafazolina) levando-a até a corrente sanguínea. A substância simula o efeito da adrenalina do corpo, aumentando os riscos de taquicardia e pressão alta.

Principais efeitos colaterais:

Arritmia, perda olfativa, trombose, pressão intraocular, insônia, aumento da pressão arterial, rinite medicamentosa, obstrução da mucosa nasal.

O papel do soro fisiológico

O mais recomendado e saudável é o indivíduo lavar as narinas diariamente, 2x ao dia, com soro fisiológico ou solução de água com sal e bicarbonato para aliviar a congestão sem remédios. Para quem já se viciou nos descongestionantes, o tratamento é feito com medicamentos orais e injetáveis que visam à recuperação da mucosa do nariz.

Ficou com alguma dúvida? Escreva-nos! Teremos prazer em atendê-los!

Artigos relacionados

The following two tabs change content below.
Farmacêutica generalista, Pós Graduada em Cosmetologia Clínica pelo Instituto IPUPO e Pós Graduada em Farmacologia Clínica pela UCDB. Trabalhou durante 7 anos em farmácias (drogaria e manipulação) de onde carrega larga experiência no atendimento à clientes, dispensação de medicamentos, atenção farmacêutica e treinamento de colaboradores. Também lecionou durante 7 anos em cursos técnicos na área de saúde além de coordenação. Atualmente é coordenadora da Comissão Técnica no CRF/Piracicaba e Farmacêutica Clínica - Hospitalar no Hospital dos Fornecedores de Cana/Piracicaba.

Comentários

comentários