sexta-feira, dezembro 15Saúde. Gestão e Consultoria

Na drogaria: tratamento de Pediculose (piolho): loção, shampoo, sabonete ou comprimidos?

Na drogaria: tratamento de Pediculose (piolho): loção, shampoo, sabonete ou comprimidos?
5 (100%) 2 votes

Pediculose, o que é?, transmissão, tratamento…

Pediculose - piolhos
Pediculose – piolhos

O que é pediculose?

Pediculose significa infestação por piolho, e esta pode ser confirmada pela presença de lêndeas (que são os ovos do parasita) ou pelo próprio parasita – o piolho.

A coceira é tão intensa que chega a causar pequenos ferimentos no couro cabeludo. Por isso se faz necessário retirar as lêndeas com pente fino, pois os medicamentos só matam o piolho e no caso de permanecer lêndeas, o indivíduo voltará a ter piolhos.

Como é a transmissão?

A transmissão pode ser através de contato direto (e este caso inclui relação sexual) ou contato indireto (roupas, escova de cabelo, roupas de cama, etc).

Quais são os sintomas? 

Além de ser possível visualizar o parasita e seus ovos, encontramos coceira intensa. Quando a pediculose for no corpo, encontramos escoriações, pápulas (“bolinhas”), pequenas manchas hemorrágicas e pigmentação, principalmente no tronco e na região glútea e abdome. Na pediculose pubiana (“chato” pois o parasita responsável tem forma achatada) são encontradas manchas violáceas, escoriações e crostas hemorrágicas, além do prurido intenso.

Como é o tratamento?

A deltametrina atua como pediculicida e escabicida (sarna humana). Os sinais de melhora nos sintomas podem ocorrer em um prazo variável de dias, após o início do tratamento.

  1. Loção: friccionar em toda região afetada do corpo, caso necessário, deixando permanecer até o próximo banho. Usar durante 4 dias consecutivos. Não utilizar a loção no couro cabeludo. 

Obs* segue o mesmo para tratamento da escabiose (sarna)

  1. Shampoo: deve ser aplicado nos cabelos e couro cabeludo, de preferência durante o banho, fazendo ligeiras fricções com a ponta dos dedos. Deixar nas áreas atingidas durante 5 minutos. Enxaguar bem. Usar durante 4 dias consecutivos. Não usar o produto para sobrancelhas ou cílios. No caso de contato com os olhos, lavá-los por 15 minutos com água corrente.
  1. Sabonete: ensaboar energicamente toda região afetada do corpo, caso necessário, deixando a espuma permanecer durante 5 minutos. Enxaguar bem. Usar durante 4 dias consecutivos. O produto deve ser reaplicado após 7 dias, seguindo a posologia e modo de usar, para evitar uma possível re-infestação por permanência de ovos.

Obs* segue o mesmo para tratamento da escabiose (sarna)

  1. Ivermectina REVECTINA® (comprimidos): nos casos de infestação por pediculose resistente sem sucesso com os tratamentos tópicos convencionais, o tratamento pode ser feito com dose única de comprimidos de Ivermectina. 

A dosagem recomendada de REVECTINA® para o tratamento de Pediculose em uma única dose oral visa fornecer aproximadamente 200 mcg de Ivermectina por kg de peso corporal. A tabela abaixo fornece orientação em relação à dosagem. Em geral, não são necessárias outras doses. Contudo, devem ser feitas avaliações clínicas para verificar a eliminação da infecção.

Orientação de dosagem de REVECTINA® para estrongiloidíase, filariose, ascaridíase, escabiose e pediculose:

PESO CORPORAL (kg) DOSE ORAL ÚNICA
15 a 24 ½ comprimido
25 a 35 1 comprimido
36 a 50 1 ½ comprimidos
51 a 65 2 comprimidos
66 a 79 2 ½ comprimidos
≥ 80 200 mcg/kg

 Recomenda-se nova avaliação clínica após 1-2 semanas para verificação da eliminação total dos piolhos. No caso de encontrar apenas lêndeas, não é necessário repetição de dose; remover apenas com o auxílio de pente fino.

No caso de permanência da infestação, uma nova dose poderá ser administrada.

O uso concomitante com produtos de uso tópico são válidos no tratamento.

Seu uso está contra-indicado em crianças com menos de 15 kg ou menores de 5 anos.

Artigos relacionados

The following two tabs change content below.
Farmacêutica generalista, Pós Graduada em Cosmetologia Clínica pelo Instituto IPUPO e Pós Graduada em Farmacologia Clínica pela UCDB. Trabalhou durante 7 anos em farmácias (drogaria e manipulação) de onde carrega larga experiência no atendimento à clientes, dispensação de medicamentos, atenção farmacêutica e treinamento de colaboradores. Também lecionou durante 7 anos em cursos técnicos na área de saúde além de coordenação. Atualmente é coordenadora da Comissão Técnica no CRF/Piracicaba e Farmacêutica Clínica - Hospitalar no Hospital dos Fornecedores de Cana/Piracicaba.

Comentários

comentários